1. Ornitologia
  2. Sabia?
  3. Fichas de Aves
  4. Fotos
  5. Vídeos

 

 

“Quanto mais aumenta nosso conhecimento, mais evidente fica nossa ignorância”

John F. Kennedy

 

 

 

? SABIA QUE ?

 

TERMOS E FACTOS SOBRE AS AVES:

(todos estes factos foram confirmados e não são o resultado de erros dactilográficos)

 

 

 

 

ver outras aves do ano de:

 

 

 

 

 

AVE DO ANO 2013

 

 

ABETARDA

 

Otis tarda

 

 

Abetarda é o nome geral dado às aves classificadas na família Otididae, anteriormente incluída nos gruiformes, mas hoje em dia considerada uma ordem própria: Otidiformes.

 

A abetarda-comum (Otis tarda) é a ave mais pesada das aves europeias e uma das mais corpulentas aves voadoras do mundo, apenas suplantada pela abetarda gigante (Ardeotis kori). É também das mais difíceis de observar: é pouco comum e com uma distribuição muito localizada, é muito difícil de observar fora dos seus locais habituais de ocorrência; dificilmente tolera aproximações humanas a menos de 1 km.

 

A sua distribuição geográfica verifica-se numa vasta área norte africana, europeia e asiática, que se estende de forma descontínua do Norte de Marrocos e sul da Península Ibérica até à Mongólia e leste da China. A Península Ibérica possui a maior população europeia, com a população espanhola nidificante a atingir os cerca de 14.000 indivíduos e a portuguesa a rondar as 1500 aves, metade dos quais se encontra nas planícies de Castro Verde. Em Portugal a Abertarda ocorre desde o sudeste da Beira Baixa até ao norte do Algarve, sendo mais comum na região do Campo Branco (Castro Verde).

É uma das espécies mais emblemáticas do Alentejo.

Embora a espécie seja sobretudo residente é habitual haver alguma dispersão de indivíduos nos meses de Verão, havendo então observações esporádicas de abetardas noutras regiões.

Habita as estepes e planícies cobertas por vegetação herbácea. Esta e outras espécies de aves estepárias adaptaram-se depois às pseudo-estepes criadas há muito pela agricultura extensiva. Em Portugal frequenta sobretudo vastas planícies sem árvores onde se pratica uma cerealicultura tradicional, com searas pouco densas, intercaladas com pousios e pastagens, ainda que ocorra igualmente nas orlas de montados abertos de sobro e azinho e de olivais. Tal como o Sisão, frequenta parcelas de leguminosas (por exemplo, luzerna, gão-de-bico) para se alimentar.

 

A sua alimentação é omnívora à base de plantas (grãos, folhas, frutos e rebentos), insectos e outros pequenos animais.

 

Desde o início de Março até meados de Maio, com um pico em Abril, os machos da abetarda juntam-se em arenas de parada onde executam danças nupciais colectivas verdadeiramente espectaculares para atrair as fêmeas. No clímax da parada os machos tornam-se numa bola branca ondulante de penas reviradas, uma visão impressionante. Uma vez escolhido o macho, as fêmeas aproximam-se dos locais de parada para acasalar e afastam-se de seguida. A participação do macho na reprodução da espécie termina ali. As fêmeas incubam normalmente entre 2 e 4 ovos, que são depositados num ninho situado no chão entre a erva alta, frequentemente em searas ou pousios recentes. No Alentejo começam normalmente a avistar-se os primeiros jovens do ano (abetardotos) no início de Maio. Os recém-nascidos são nidífugos, isto é, saem do ninho e acompanham a mãe pouco depois do nascimento.

 

A Abetarda é uma espécie ameaçada a nível mundial, tendo sofrido um forte declínio desde o séc. XVIII devido sobretudo à modificação dos meios agrícolas extensivos em que ocorre, tanto por intensificação como por abandono agrícola, e à crescente pressão humana que conduziu a perdas ou fragmentação de habitat e caça excessiva. No séc. XIX foi extinta nos outros países europeus onde ocorria. Várias populações locais extinguiram-se neste período. Apesar de ter sofrido uma regressão importante em Portugal e Espanha, desde meados dos anos oitenta do séc. XX a população Ibérica de Abetardas ter-se-á mantido razoavelmente estável. Está, no entanto, largamente dependente da existência de áreas de agricultura cerealífera tradicional de sequeiro, leguminosas, restolhos e pousios, ameaçadas pelo regadio e florestação e de manutenção economicamente difícil.

É uma embaixadora de uma agricultura sustentável. Nesse sentido os proprietários agro-florestais e os decisores políticos necessitam de requalificar a biodiversidade rural como uma mais valia económica na valorização dos seus produtos e serviços agrícolas. Uma agricultura de usos múltiplos, baseada na qualidade do ambiente, é essencial para o desenvolvimento sustentável do país.

 

Em Portugal é considerada uma espécie vulnerável, sendo englobada, em termos europeus, na categoria SPEC 1 (SPEC corresponde a Species of European Conservation Concern - espécies que suscitam preocupações de conservação a nível europeu), relativa a aves que possuem uma população globalmente ameaçada.

 

 

S.P.E.A. ave do ano 2013

(este link pode vir a ser desactivado pela S.P.E.A.)

 

 

 

SEO Birdlife ave del año 2013

(este link pode vir a ser desactivado pela SEO Birdlife)

 

 

 

 

 

 

 

PORTUGAL

 

ESPANHA

 

 

 

 

 

 

 

2010

 

CEGONHA-PRETA

Ciconia nigra

 

ABUTRE-NEGRO

Aegypius monachus

 

 

 

 

 

 

 

2011

 

CAGARRA

Calonectris diomedea

 

MOCHO-GALEGO

Athene noctua

 

 

 

 

 

 

 

2012

 

ROLA-BRAVA

Streptopelia turtur

 

ROLIEIRO

Coracias garulus

 

 

 

 

 

 

 

2013

 

ABETARDA

Otis tarda

 

CAGARRA

Calonectris diomedea

 

 

 

 

 

 

 

2014

 

CEGONHA-BRANCA

Ciconia ciconia

 

ANDORINHA-DAS-CHAMINÉS

Hirundo rustica

 

 

 

 

 

 

 

2015

 

FURA-BARDOS

Accipiter nisus granti

 

ROLA-BRAVA

Streptopelia turtur

 

 

 

 

 

 

 

2016

 

BRITANGO

Neophron percnopterus

 

PARDAL

Passer domesticus

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copie o banner ON: